sexta-feira, 20 de junho de 2008

Técnicas de Teste

Atualmente existem muitas maneiras de se testar um software. Mesmo assim, existem as técnicas que sempre foram muito utilizadas em sistemas desenvolvidos sobre linguagens estruturadas que ainda hoje têm grande valia para os sistemas orientados a objeto. Apesar de os
paradigmas de desenvolvimento serem completamente diferentes, o objetivo principal destas técnicas continua a ser o mesmo: encontrar falhas no software. Abaixo estão descritas as três técnicas mais conhecidas.

Caixa-Branca

Técnica de teste, também chamada de Teste Estrutural, que avalia o comportamento interno do componente de software. Essa técnica trabalha diretamente sobre o código-fonte do componente de software para avaliar aspectos tais como: teste de condição, teste de fluxo de dados, teste
de ciclos e teste de caminhos lógicos. Os aspectos avaliados nesta técnica de teste dependerão da complexidade e da tecnologia que determinarem a construção do componente de software, cabendo portanto avaliação de mais aspectos que os citados anteriormente. O testador tem
acesso ao código fonte da aplicação e pode construir códigos para efetuar a ligação de bibliotecas e componentes. Este tipo de teste é desenvolvido analisando-se o código fonte e elaborando-se casos de teste que cubram todas as possibilidades do componente de software.

Dessa maneira, todas as variações originadas por estruturas de condições são testadas. Um exemplo bem prático desta técnica de teste é o uso da ferramenta livre JUnit para desenvolvimento de classes de teste (test cases) para testar classes ou métodos desenvolvidos em Java .

Também se enquadram nessa técnica testes manuais ou testes efetuados com apoio de ferramentas para verificação de aderência a boas práticas de codificação reconhecidas pelo mercado de software. A aderência a padrões e boas práticas visa principalmente a diminuição da
possibilidade de erros de codificação e a busca de utilização de comandos que gerem a melhor performance de execução possível. Apesar de muitos desenvolvedores alegarem que não há ganhos perceptíveis com essa técnica de teste aplicada sobre unidades de software, devemos lembrar que, no ambiente produtivo, cada programa pode vir a ser executado milhares ou milhões de vezes em intervalos de tempo pequenos. É na realidade de produção que a soma dos aparentes pequenos tempos de execução e consumo de memória de cada programa poderá levar o software a deixar de atender aos objetivos esperados. A técnica de teste de Caixa-Branca é recomendada para as fases de Teste da Unidade e Teste da Integração, cuja responsabilidade principal fica a cargo dos desenvolvedores do software, que por sua vez conhecem bem o
código-fonte produzido.

Caixa-Preta

Técnica de teste, também chamado de Teste Funcional, em que o componente de software a ser testado é abordado como se fosse uma caixa-preta, ou seja, não se considera o comportamento interno do mesmo. Dados de entrada são fornecidos, o teste é executado e o resultado obtido é comparado a um resultado esperado previamente conhecido.

O componente de software a ser testado pode ser um método, uma função interna, um programa, um componente, um conjunto de programas e/ou componentes ou mesmo uma funcionalidade. A técnica de teste de Caixa-Preta é aplicável a todas as fases de teste - fase de teste de unidade (ou teste unitário), fase de teste de integração, fase de teste de sistema e fase de teste de aceitação.

A aplicação de técnicas de teste leva o testador a produzir um conjunto de casos de teste (ou situações de teste). A aplicação combinada de outra técnica - Técnica de Particionamento de Equivalência (ou uso de Classes de Equivalência) permite avaliar se a quantidade de
casos de teste produzida é coerente. A partir das classes de equivalência identificadas, o testador irá construir casos de teste que atuem nos limites superiores e inferiores destas classes, de forma que um número mínimo de casos de teste permita a maior cobertura de teste possível.

Outras Técnicas

Outras técnicas de teste podem e devem ser utilizadas de acordo com necessidades de negócio ou restrições tecnológicas. Destacam-se as seguintes técnicas: Teste de Performance, Teste de Usabilidade, Teste de Carga, Teste de Stress, Teste de Confiabilidade e Teste de Recuperação.

Alguns autores chegam a definir uma técnica de Teste Caixa Cinza, que seria um mesclado do uso das técnicas de Caixa Preta e Caixa Branca, mas, como toda execução de trabalho relacionado à atividade de teste utilizará simultaneamente mais de uma técnica de teste, é recomendável que se fixem os conceitos primários de cada técnica.

Um comentário:

gbvbahia disse...

Quem escreveu aonde? http://pt.wikipedia.org/wiki/Teste_de_software